Sobre poder

1º – nunca é sobre Amor!
2º – é feito de contradições e traições.

(Mas nem por isso é  injusto)

 

Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis; nada menos
(Machado de Assis – Memórias Póstumas de Brás Cubas)

Anúncios

Meme Literário de um Mês 2012 – Dia 22

Cite 3 escritores que você gosta.

C S Lewis – O autor de Nárnia faz meus olhos brilharem a cada leitura! Saindo da fantasia do seu livro mais conhecido a espiritualidade inteligente de toda sua bibliografia é interessantíssima! Me fascina!

Machado de Assis – O Humor inteligente e a língua portuguesa bem escrita! Preciso dizer mais?  Clássicos são clássicos e acada releitura Machado desperta novas descobertas. Foi o primeiro ‘grande autor’ nacional que me despertou interesse na adolescência… 🙂 E me fez apaixonada por literatura até hoje.

 J.R.R. Tolkien – Como pode um mundo inteiro surgir na imaginação desta forma? Envolvente é tudo que posso dizer de cada um dos livros de Tolkien… criando um universo inteiro pra ser desfrutado no papel rele-lo é sempre incrível pra minha pessoa! :}

A ideia é da Tábata! Confere o Blogue dela e participe também!
Aqui você encontra minhas respostas deste ano. :]

Dos Sábados nos fins de Março

“O casamento não é uma solução, penso eu; é um ponto de partida.”
[Machado de Assis – Helena]

E hoje eu estou tão, mas tãão, feliz que senti vontade de eternizar isso por aqui.

E a cada passo que dou ao teu lado o mundo se torna um lugar diferente!
De certo um lugar melhor!

Eu Li [60]

Dando Pé ao projeto d2, Li:

Iaiá Garcia 
Machado de Assis
L&PM Pocket, 192 páginas

*–* Que Livro Lindo!
Acho que das experiências machadianas poucos romances devem fazer suspirar tanto! De uma fase diferente da que a maioria está acostumada, apesar do começo massantezinho o desenvolver detalhista e romantesco arrancam suspiros e apreensões   por desconstruções da história – que em ênfase não chega a se desenvolver.
Personagens femininas tão fortes e tão senhoras de si – marca do autor- estão em destaques nessas linhas. Amores proibidos, casamentos arranjados, renuncias por amor, desencontros econômicos-sociais, fidelidade às amizades, amores sinceros mais efêmeros riscam a vida de duas mulheres um tanto distintas e – a certo modo-  antagônicas. Li, pela net, uma definição que partilho: um drama psicológico interessantíssimo. Continuar lendo

Eu Li [58]

Desafio Machado de Assis

Tanta leitura atrasada, tantas resenhas não feitas. Eu me propus a um projeto e dele mal falo  neste blogue, pode? A leitura vai devagar mais uma hora sai por completo! Esta leitura de agora marca então um parte do:

.

.

.

Helena
Machado de Assis
Ciranda Culltura, 160 páginas

O amor não é mais que um instrumento de escolha; amar é eleger a criatura que há de ser companheira na vida, não é afiançar a perpétua felicidade de duas pessoas, porque essa pode esvair-se ou corromper-se. [página 90]

Que Machado não é obvio todo mundo sabe. Mas quão surpreendente pode ser a leitura em suas linhas (sim! linhas) finais? Em uma leitura leve (de tão leve nem chega a aparecer o grande adjetivador Machado de Assis) com sua doce critica a moral e aos costumes de seu tempo (sempre, sempre!) nas corridas páginas deste romance conhecemos uma família fluminense que sofre nas primeiras linhas uma perda que provoca uma reviravolta nos seus hábitos. O testamento ao ser aberto traz consigo uma herança um tanto diferente junto ao patrimônio já esperado pelos familiares: Conselheiro Vale falece e deixa o reconhecimento póstumo de uma paternidade que injeta a formosa Helena no seio de sua família.
Passado o espanto e tentando cumprir os desejos do pai Estácio ajusta com sua tia Úrsula o acolhimento da irmã em sua casa. Cabe, com o passar do tempo, a encantadora jovem quebrantar os corações da nova família e assumir um papel especial na vida dos entes – que passam a vê-la como querida. Helena trás consigo um ar de alegria para o lar, dá ânimo e conforto a velha senhora e provoca deslumbre em alguns jovens. Contudo o coração gracejoso da protagonista carrega alguns segredos: O Primeiro remete a uma paixão avassaladora e inconfessável que carrega no peito, um  outro ao passado de sua mãe que toda a família desconhece e o último – talvez atado aos demais- misteriosas saídas matinais que despertam as más línguas de um ou outro. Continuar lendo

Sobre Paz e Amor

O melhor modo de viver em paz é nutrir o amor-próprio dos outros com pedaços do nosso.

Machado de AssisHelena
[página 52]
.
.

Das coisas antigas [2]

Francamente, é para lastimar uma amizade, ganha entre duas quadrilhas e perdida por causa de um chapéu? Não vale a pena esperdiçar afetos, Eugênia; sentirá mais tarde que essa moeda do coração não se deve nunca reduzir a trocos miúdos nem despender em quinquilharias.

Machado de AssisHelena
[página 24]
.
.

Das coisas Antigas

Quer saber a verdadeira razão do mau sucesso de suas afeições? E deixar-se levar mais pelas aparências que pela realidade; é porque  dá menos apreço às qualidades sólidas do coração do que às frívolas exterioridades da  vida. Suas amizades são das que duram a roda de uma valsa, ou, quando muito, a moda de um chapéu; podem satisfazer o capricho de um dia, mas são estéreis para as necessidades do coração.

Machado de Assis – Helena [página 23]

Um Link [22]

A Amante de Machado de Assis
(???)