Eu Li [32] – Desafio Literário 2011.08.02

Desafio Machado de Assis

A ideia de ler o livro vem do Projeto ‘Desafio Literário’, mas acabo embarcando na minha própria ideia/meta de leitura, então este também é meu primeiro livro do:

.

.

.

Quincas Borba
Machado de Assis
L&PM PoKet, 280 páginas

Enquanto uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico senhor; é a perfeição universal.Tudo chorando seria monótono,tudo rindo cansativo; mas uma boa distribuição de lágrimas e polcas, soluços e sarabandas,acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio da vida…
[Capítulo XLV]

Pois Bem! Este era o único Romance da Trilogia Realista de Machado que me faltava! E sabe, não importa a ‘densidade’ dos livros Machadianos a cada nova leitura me divirto ainda mais com com a acidez inspiradora delas.

Quincas Borba não é o protagonista do livro que nomeia! [ =O ] (surpresa, surpresa!) É apenas um velho, filósofo, rico que norteia as desventuras de Rubião, o verdadeiro anfitrião da história. Por ele indaguei, no decorrer do livro, o quão perto pode ficar a grandeza de um homem e o ridículo. Um ser cuja a verdade bastava perante a incredulidade (ou incapacidade) dos demais de lhe entender. Figura excêntrica.
O protagonista Rubião  é  um indivíduo de caráter simples – que beira a ingenuidade – e não parece entender as artimanhas sociais que ‘movem’ o mundo. Acaba agindo sempre pelas circunstâncias e mesmo lutando contra – ou não- acaba engolido pela Vida e  destruído pelos que nela mandam. A essência da bondade tola.

No fim da vida, Quincas Borba acaba tendo como único amigo Rubião  e a ele tenta deixar a mais nobre de suas heranças: a filosofia Humanitista. Acaba, em por menores, também deixando a tutela de um cão que além de carregar seu nome também torna-se seu herdeiro.  Rubião torna-se rico, muda-se de cidade  e toda a essência da história começa a desenvolver-se. A teoria filosófica de Borba é posta a prova , sem querer, por Rubião e ao final da saga vence pela crença de ser a essência humana.

O Romance, em si, é Machado, mais uma vez, mergulhando na insanidade dos pensamentos humanos: construindo personagens com mentes indecifráveis. Mulheres más (?), ou simplesmente perdidas em truques sociais também vêem à tona neste enredo.

Machado acaba se divertindo (ao tratar acidamente) as custas das teorias cientificas que surgiam no seu tempo. ‘Quincas Borba’ (o livro) debocha do positivismo de Comte  e suas teorias sociais, namora com Darwin a cerca da seleção natural  e flerta com  Nietzsche ao falar do Cristianismo. É um livro muitas  interfaces , exige muita perspicácia do leitor…

Ao final, como em quase todo machado que leio, creio que a loucura nos fere e nos mata… mas sem ela não podemos vier! E porque não.. ela é única que nos salva! 🙂
[sim, sim! contaminada pelo pessimismo gostoso do autor!] 

——
Semana passada, em um encontro com os amigos, refletimos sobre isso.
Deixo uma homenagem, dos primeiros capítulos deste livro:

Rubião fitava a enseada […]
Cortejava o passado com o presente.
Que era, há um ano? Professor.
Que é agora? Capitalista.

Nosso destino Amigos! 😉
2 anos.
;** 

.

.

.

Anúncios

4 comentários sobre “Eu Li [32] – Desafio Literário 2011.08.02

  1. Pingback: 1001 dias e suas 101 coisas [2 de 33] « A Garota e Seus Livros

  2. Pingback: Sobre Machado de Assis (projeto) « A Garota e Seus Livros

Diz aí:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s